Quem performa melhor na Nova Economia, pequenas, médias ou grandes corporações?

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Quase duas décadas atrás, quando começamos a falar sobre Nova Economia, Capitalismo Consciente ou Capitalismo de Stakeholders no Brasil, basicamente citávamos os exemplos de empresas americanas e europeias: Disney, Whole Foods Market, Starbucks, Patagonia, Ikea, BMW, Unilever e diversas outras. Para as organizações brasileiras, parceria que a Nova Economia era algo exclusivo de grandes corporações internacionais.

Em 2019, quando divulgamos os resultados da primeira edição da Pesquisa Humanizadas no Brasil, foi possível identificar que a Nova Economia não é exclusividade de grandes corporações internacionais. Exemplos de empresas como Natura, Reserva, ClearSale, Grupo Jacto, Elo7, Raccoon e diversas outras, ajudaram a quebrar um senso de vira-lata quando falamos de Capitalismo de Stakeholders.

Porém, mesmo com a identificação desses exemplos nacionais, nas inúmeras palestras que realizo no país, eu ainda ouvia a seguinte frase de consultores e empresários brasileiros descrentes da Nova Economia: “trabalhar propósito, cultura, diversidade, ESG e inovação, são temáticas de grandes corporações, pois demandam grandes investimentos”.

Será que é isso mesmo?


Dois anos depois, na 3ª Edição da pesquisa, avaliamos 300 instituições brasileiras a partir da percepção de 86.553 stakeholders. O que descobrimos? Em um recorte exclusivo, analisando a performance das organizações de acordo com seu porte (micro, pequeno, médio e grande), identificamos que as Micro e Pequenas Empresas (MPEs) tendem a performar melhor do que médias e grandes corporações em índices de confiança, inovação, bem-estar, diversidade, transparência, desenvolvimento humano, satisfação dos clientes, satisfação dos colaboradores, performance ESG (Enviromental, Social and Governance) e reputação da marca.

Vou dar um exemplo.

O índice de confiança nas relações internas (-100 Pts a +100 Pts) de uma grande corporação é de + 13 pontos, médias organizações possuem avaliação de + 23 pontos e as MPEs de + 45 pontos. Ou seja, em média uma MPE pode ter um grau de confiança nas relações até 3,5 vezes superior às grandes corporações. E esse grau de confiança superior ajuda as organizações a migrarem de um ciclo vicioso (baixo engajamento, alto turnover, baixa satisfação dos clientes e perda de vendas) para um ciclo virtuoso (alto engajamento, baixo turnover, alta satisfação dos clientes e crescimento sustentável de vendas). Citei apenas um exemplo, e poderia ter citado vários outros.

Por que isso ocorre?

O desafio de manter relações de confiança, cultura saudável, propósito alinhado, equilíbrio entre bem-estar e alta produtividade, é muito maior em uma organização com mais de 30.000 colaboradores espalhados por todos os 27 estados do país, quando comparado ao desafio de uma micro e pequena organização com 20 colaboradores que interagem juntos todos os dias e possuem relação próxima com os fundadores da empresa.

Em organizações de micro e pequeno porte, os fundadores não apenas conseguem interagir diretamente com os colaboradores, como também conseguem estar próximos da operação e do atendimento dos clientes. Essa proximidade não apenas reduz o tempo de resposta às mudanças, como também ajuda a manter vivo o alinhamento de propósito e valores.

Nas médias e grandes corporações, o desafio é muito maior. A partir do momento em que os fundadores contratam pessoas, e essas pessoas começam a contratar outras pessoas, que irão posteriormente contratar outras pessoas… e, essas pessoas, que não necessariamente terão a oportunidade de conviver diariamente e diretamente com os fundadores, passam a não consumir o propósito e os valores da organização diretamente da fonte. Portanto, é esse distanciamento que pode gerar uma série de prejuízos à qualidade das relações e à performance organizacional.

As grandes corporações performam melhor do que as MPEs?

Não necessariamente. Existem grandes corporações como Magalu, ClearSale, Viacredi, Reserva, Grupo Jacto e diversas outras, que possuem sim performance superior à média do mercado brasileiro em índices como inovação, bem-estar, diversidade, performance ESG, transparência, confiança, satisfação dos clientes, satisfação dos colaboradores e reputação da marca. Porém, esta não é a realidade da maioria das grandes corporações.

As MPEs performam melhor do que as médias e grandes corporações?

No geral, estatisticamente, a tendência é que sim. As MPEs podem encontrar na Nova Economia um grande diferencial competitivo, afinal, o desafio de manter alta performance na qualidade das relações, para as médias e grandes corporações, é muito superior. Porém, esta não é a realidade da maioria das MPEs do país.

Existe uma grande jornada evolutiva pela frente. O desafio é enorme para as médias e as grandes corporações, e as MPEs podem encontrar uma grande vantagem competitiva. Juntas, essas organizações de micro, pequeno, médio e grande porte, podem apoiar a ascenção de uma Nova Economia no país.